7 mitos da segurança cibernética que trazem risco ao seu computador

PorWagner Lindemberg

7 mitos da segurança cibernética que trazem risco ao seu computador

Proteger nossas informações e rastros digitais em um mundo cada vez mais conectado é uma tarefa cuja demanda sempre aumenta. Por mais que existam ferramentas e softwares que automatizem a nossa proteção, os malefícios que atingem os computadores e smartphones pessoais sempre se inovam. Com a ajuda de informações da desenvolvedora de antivírus e soluções de proteção ESET, o Canaltech elencou a seguir os sete mitos que mais trazem risco ao seu computador — e, alguns deles, são bem recentes.

Atualizações automáticas prejudicam o desempenho do meu aparelho

Atualizações de qualquer sistema operacional servem ao propósito de manter a integridade dele um passo à frente da maioria das ameaças. Houve um tempo em que, de fato, as atualizações automáticas deixavam o sistema lento ou travado devido à alta demanda de processamento e download, mas isso é uma noção antiga. Hoje, os updates ajudam o usuário a manter seu computador seguro e funcionando normalmente. Essas atualizações geralmente corrigem possíveis falhas do sistema, que deixariam o dispositivo vulnerável — e isso vale para celulares, PCs e outros.

Os vírus deixam meu dispositivo lento ou danificado

Outra percepção antiquada, de quando malwares se limitavam a prejudicar um sistema operacional e não tinham o impacto viral que o mundo conectado de hoje pode trazer. Se antes um vírus de computador causava lentidão de sistema ao instalar códigos maliciosos específicos, hoje as ameaças estão em rede, buscando atacar vários usuários ao mesmo tempo em busca de informações sigilosas, como senhas de banco ou acesso a contas em redes sociais. Para conseguir isso, muitas vezes o invasor não deseja que seu vírus seja notado, portanto as ameaças são desenvolvidas para passarem despercebidas, provocando o mínimo de mudanças possível. Já nos dispositivos móveis, ter um vírus instalado pode fazer com que a bateria acabe mais rápido, mas dificilmente o aparelho será danificado, já que ninguém ganha nada com isso.

Não tenho nada que interesse a um cibercriminoso

Engana-se quem acha que vazamentos de informações estão restritos a celebridades e pessoas de maior poder aquisitivo. Enquanto os motivos que atraem cibercriminosos a essas pessoas são bem óbvios (imagens e informações íntimas; muito dinheiro disponível), a maioria dos ataques é direcionada ao cidadão comum, já que o acesso a dados simples como nome e número de CPF são suficientes para que um criminoso faça um empréstimo em nome da vítima, por exemplo. Um dado que comprova isso é que o Brasil é um dos países mais atingidos por golpes no WhatsApp na América Latina.

Se recebi a mensagem de um amigo, não é golpe

Links podem esconder malwares. Parece que estamos “chovendo no molhado” com isso, mas, por muitas vezes, as pessoas ainda caem nesse tipo de golpe pois alguma mensagem ou post compartilhado veio a elas por amigos e fontes confiáveis. O problema é quando a sua fonte confiável também foi vítima. Em um ataque de phishing, por exemplo, as pessoas são levadas a uma página falsa, na qual são incentivadas a compartilhar dados pessoais, como nome completo, e-mail, telefone e até dados bancários em troca de prêmios, brindes ou resgate de dinheiro.

Malwares atacam somente Windows

Antigamente, existia a crença de que, “se deu vírus, é Windows”. Esse mito, propagado pelo fato do sistema operacional da Microsoft ser o mais difundido no mundo, é uma falácia. Atualmente, outros sistemas muito utilizados possuem diversas ameaças detectadas. De acordo com pesquisa da ESET, no primeiro semestre de 2018, o Android teve um total de 322 falhas de segurança, sendo que 23% delas foram críticas. Enquanto isso, o iOS teve 122 vulnerabilidades detectadas, sendo 12% delas críticas.

Posso instalar um vírus assistindo vídeos?

Depende: a maioria dos vídeos, hoje, são assistidos por plataformas de streaming como YouTube e Vimeo — que contam com suas próprias prática de segurança e, de uma forma geral, regem a segurança online de seus usuários. Contudo, se um vídeo — ou qualquer outro conteúdo multimídia — tiver que ser baixado para ser visto, cuidado: vale ficar de olho no formato do arquivo para saber se de fato é um vídeo, já que ele pode ser um trojan ou possuir extensão dupla, contendo código malicioso. Vale ressaltar: isso não ocorre somente com vídeo, podendo ocorrer também com fotos ou apps. Extensões como .mp4, .mov, .avi e .wmv são as mais comuns para vídeos.

Posso ter meu celular clonado apenas por atender uma ligação?

Outra mensagem comum é o alerta para não atender às ligações de um determinado número, pois seu celular será clonado. Trata-se de mais um boato, talvez um dos mais antigos que circulam desde a popularização dos aparelhos móveis. A ESET esclarece que a clonagem de um número é, sim, possível por meio de outras formas mais complexas, mas não ao simplesmente atender uma ligação.

Fonte: Canaltech.

Sobre o autor

Wagner Lindemberg administrator

Especialista em Segurança da Informação, Análise de Vulnerabilidades, Testes de Intrusão (Pentest) e Perito Forense Computacional.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.